Exercício físico e depressão |SBWCoaching | Formações
786
post-template-default,single,single-post,postid-786,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-9.1.3,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive
 

Exercício físico e depressão

07 jul Exercício físico e depressão

Exercício físico e depressão

Estimativas utilizando a metodologia da Carga Global da Doença, proposta pela Organização Mundial de Saúde, para o ano de 2020, sugerem que a doença isquêmica do coração e a depressão serão as duas maiores causas não só de mortalidade mas, de incapacidade sobre a população em geral. A depressão pode ser caracterizada por tristeza, baixa da auto-estima, pessimismo, pensamentos negativos recorrentes, desesperança e desespero. Seus sintomas são, fadiga, irritabilidade, retraimento e ideação suicida.

O humor depressivo pode aparecer como uma resposta a situações reais, por meio de uma reação vivencial depressiva, quando diante de fatos desagradáveis, aborrecedores, frustrações e perdas.Trata-se, neste caso, de uma resposta a conflitos íntimos e determinados por fatores vivenciais. A depressão está associada a uma alta incapacidade e perda social. Segundo o Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais (DSM-IV-TR) (APA, 2000) a depressão maior é descrita como um período de pelo menos duas semanas durante o qual existe humor depressivo ou perda de interesse em quase todas as atividades.

Os indivíduos devem, também, experimentar pelo menos um sintoma adicional de uma lista que inclui alterações no apetite ou peso, sono e atividade psicomotora, diminuição da energia, sentimentos de desvalorização pessoal ou culpa, dificuldades em pensar, concentrar-se ou tomar decisões, ou pensamentos recorrentes a propósito da morte ou ideação, planos ou tentativas suicidas.

Atividade física define-se por qualquer movimento corporal produzido pelos músculos esqueléticos que resulta em gasto energético maior do que o dos níveis de repouso. Já exercício é uma atividade física direcionada, planejada, estruturada e repetitiva, que tem como objetivo final ou intermediário aumentar ou manter a saúde e aptidão física.
Muitos estudos sugerem que pessoas ativas fisicamente, em qualquer idade, podem apresentar uma melhor saúde mental quando comparadas a pessoas sedentárias.

Frazer et al. em um artigo de revisão, sugerem que, entre outros métodos, a atividade física pode ser considerada eficaz no tratamento da depressão. Atividade e exercícios físicos podem trazer benefícios agudos e crônicos, como por exemplo: melhora no condicionamento físico, diminuição da perda de massa muscular e ossea, aumento da força, coordenação e equilíbrio, redução da incapacidade funcional, da intensidade dos pensamentos negativos e das doenças físicas além da melhoria do humor e consequentemente do bem-estar.

Existem algumas hipóteses que tentam explicar a ação dos exercícios sobre a depressão e ansiedade , uma das mais aceitas é a teoria das Endorfinas. Sugere-se que a atividade física desencadearia uma secreção de endorfinas capaz de provocar um estado de euforia natural, e assim, aliviando os sintomas da depressão, mas essa idéia não é um consenso entre os pesquisadores.

Alguns acreditam que o exercício físico regularia a neurotransmissão da noradrenalina e da serotonina, dessa maneira, aliviando os sintomas da depressão. Outra hipótese seria a cognitiva. De natureza  psicológica, a hipótese cognitiva se baseia na melhoria da autoestima  com a prática do exercício, sustentando que os exercícios melhorariam a imagem de si mesmo e, consequentemente, a sua autoestima.

Estudos realizados nos EUA afirmam que a prática sistemática do exercício físico para a população em geral está associada à ausência ou a poucos sintomas depressivos ou de ansiedade. Mesmo em indivíduos diagnosticados clinicamente como depressivos, o exercício físico tem se mostrado eficaz na redução dos sintomas associados à depressão.

A eficácia do exercício físico associado a sintomas depressivos também tem sido relatada em relação a estados depressivos causados por outras doenças. Coyle e Santiago realizaram um estudo em que o principal objetivo era o de avaliar o efeito do exercício na aptidão e na saúde psicológica de indivíduos deficientes. Os voluntários foram submetidos a exercício aeróbio por 12 semanas. Os resultados demonstraram que o exercício aeróbio melhora a aptidão e diminui os sintomas depressivos nesta amostra. Esta redução pode ser o resultado de mecanismos fisiológicos e/ou comportamentais associados com exercício aeróbio.

Um outro estudo observou os efeitos de oito semanas de exercício físico aeróbio nos níveis de serotonina e depressão em mulheres entre 50 e 72 anos. Foi aplicado neste estudo o Inventário Beck de depressão e foram realizadas análises laboratoriais para as dosagens dos níveis de serotonina. Os resultados indicaram que houve redução do percentual de gordura e dos níveis plasmáticos de serotonina, sugerindo que esta relação entre exercício físico e a mobilização de gordura proporciona às participantes uma melhora nos estados de humor.

Kohut et al. relacionaram a diminuição da depressão, após 10 meses de exercício físico, com alterações no sistema imunológico.

Parece que existe uma relação positiva entre a condição física, a saúde mental e o bem-estar. Em caso de depressões dos tipos moderada-grave ou grave e severa, pode haver a necessidade de um tratamento profissional que pode incluir a prescrição de medicamentos e outras terapias, neste caso a atividade física pode ser usada como complemento, com o devido acompanhamento. Pesquisas apontam que o exercício físico regular acarreta em benefícios psicológicos como melhor sensação de bem-estar, auto-estima e humor, além de redução da tensão e ansiedade e depressão.

Utilize o seu corpo em seu favor. Exercite-se! Afinal, Bem-estar é uma questão de FEH – Foco, Equilíbrio e Harmonia!

Fontes:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-81082007000100014&nrm=iso&tlng=pt
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1424733/
http://www.scielo.oces.mctes.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1646-107X2009000100003&nrm=iso&tlng=pt
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-86922005000300010&script=sci_arttext

Perla D’Ornellas

Perla D’Ornellas é Educadora Física e certificada internacionalmente em Wellness & Health Coaching

Veja Também

  • 13 Dicas para uma vida menos estressante13 Dicas para uma vida menos estressante Como visto nessa postagem aqui, o estresse crônico pode ter efeitos nocivos para a nossa saúde. Sabemos também que dificilmente teremos uma vida livre de estresse (que dependendo da […]
  • Dicas para se exercitar no fim de semana - Rio de JaneiroDicas para se exercitar no fim de semana – Rio de Janeiro Fim de semana de sol no meio do inverno e o que você pensa em fazer para aproveitar esse maravilhoso clima da cidade maravilhosa? Você é daqueles que dorme até mais tarde e passa o […]
  • Como dormir tranquilo depois de um dia cheioComo dormir tranquilo depois de um dia cheio O sono possui um papel fundamental em nosso Bem-estar, nossa produtividade, nossos relacionamentos e consequentemente em quanto somos capazes de realizar nossos sonhos. É muito comum, […]

Comentários