O Talento e a Euliderança | SBWCoaching|Formações e Certificações
798
post-template-default,single,single-post,postid-798,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-9.1.3,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive
 

O Talento e a Euliderança

07 jul O Talento e a Euliderança

O Talento e a Euliderança

Há alguns anos atrás fui demitido pela primeira vez na minha vida!

Tinha boa maturidade pessoal e profissional, já tinha passado por alguns excelentes desafios profissionais, mas sempre escolhendo, sempre provocando as mudanças em minha carreira. Sempre com as rédeas na mão, ou pelo menos sentindo que tinha o controle da situação.

Na saída dessa empresa eu tive direito a um bom pacote e pude escolher entre duas das melhores empresas de outplacement do mercado. Fiz assessment, orientação de carreira, marketing pessoal, networking, etc. Podia não fazer nada disso, pegar o dinheiro e pronto!

Eu não conhecia aquele sentimento de falta de rumo, que normalmente sentimos quando “somos saídos” de uma empresa, do nosso emprego, do nosso projeto de vida. Era o meu caso.

E, embora maduro, naquele momento, e por um bom período de tempo, me senti inexperiente, pois pela primeira vez tiraram minha mão do volante, tiraram as rédeas da minha vida. O sentimento de impotência foi péssimo!

Hoje sei que são naturais e normais todos os sentimentos que tomaram conta de mim. Mas, naquele período, passei por caminhos interiores que jamais havia percorrido e hoje posso afirmar que qualquer chefe, executivo ou empresário que nunca passou por essa experiência não está completo como líder. Quando o profissional demitido passa por todo o processo ele se reconstrói! Assessment, planejamento de carreira, autoconhecimento, reflexões, análises de condutas e re-invenção!

Também conclui que, além das técnicas de liderança (lidas e aprendidas, em cursos e no dia-a-dia), o que define o líder é o seu padrão mental, fruto de uma inabalável crença e determinação, construídas quando você percebe claramente “o que te move e o que te define como ser humano”. É fundamental saber, de forma clara e concreta, o que te dá prazer e realização!

Por realização você deve entender, resultados práticos e mensuráveis na sua vida pessoal, familiar, social e na sua vida profissional (carreira, equipe e empresa).

Mas, falo aqui no sentido mais amplo da liderança e da realização!

Falo da Empresa EU S.A.! A empresa na qual você é gerente e cliente, mensageiro e presidente, principal acionista… majoritário. Ao longo da vida outros “acionistas” acreditarão no seu Projeto de Vida (Empresa/Carreira/Vida). Mas é você… só você(!), que fará o balanço da trajetória da empresa EU S.A. e dirá se valeu a pena (ou não!), essa trajetória chamada vida!

No meu processo, usei todo o período de outplacement para um profundo regresso às minhas formas mais naturais de pensar e viver. Eu refiz todo o processo de autoconhecimento e coloquei todo o meu foco nas competências comportamentais.

Neste período precisei lembrar de todo o meu valor, sustentar minha auto-estima e reconstruir minha autoconfiança. Eu fui mais um executivo contratado por competências técnicas e que foi demitido por competências comportamentais. Isto acontece quando o líder não está pronto para aquela situação, para aquela equipe, ou ambos.
Foi muito curioso perceber que, neste período a tendência natural é: pensar que você é menos do que realmente é; valorizar menos, as suas próprias experiências, e menosprezar “as características mais marcantes e que te definem”.
Em meu processo, este último item tornou-se bastante desafiador e fundamental para mim!

Comecei a estudar coaching e desenvolvimento de talentos com a determinação que sempre tive, canalizando toda a minha experiência como gestor em educação executiva e desenvolvimento humano. Já fazia mentoring e couseling para divesos executivos e alunos que procuravam maior ajuste ou novo rumo em suas carreiras, aproveitei e canalizei toda essa experiência para um novo passo na minha carreira.

Na minha recolocação, decidi que só iria para uma nova empresa na qual pudesse colocar esses projetos de coaching e onde eu pudesse “empreender” projetos dessa natureza. Garimpei, negociei e encontrei!

Hoje, posso garantir que sem uma análise profunda do perfil, clara identificação dos talentos e das âncoras de carreira, associadas a uma grande determinação e capacidade de executar, você jamais será “o senhor do seu destino e capitão de sua alma”, como dizia Nelson Mandela. Isso é a EULIDERANÇA… Ser EULÍDER não é fácil!

Mas, cuidado! Identificar e valorizar os seus próprios talentos não é fácil.

Talento é aquilo que você faz de forma simples e natural, com facilidade e prazer, e por isso mesmo você desdenha e pouco valoriza em você!

Alguns bons estudos, experiências com tantos alunos de MBA’s e profissionais em cargos de liderança levaram-me a algumas reflexões que quero dividir com vocês.

Chamo dos meus “10 Mandamentos da EuLiderança”:

1. Procuro liderar pela congruência, lutar como se estivesse certo e ouvir como se estivesse errado, por que é possível que tudo isso aconteça;

2. Meu trabalho é servir e apoiar, pois “como fazer” é tão importante quanto “o que fazer”;

3. Sei que influencio as pessoas, logo tenho que ter uma sensibilidade responsável e uma percepção madura do que significa trabalhar para mim ou comigo;

4. Devemos procurar atuar com coisas óbvias e soluções simples. Soluções inovadoras e desafios estimulantes passo para a minha equipe e apóio na execução;

5. Devemos focar nas pequenas vitórias, que permitirão progredir um pouco a cada dia. Projetos ambiciosos e bem-definidos devemos trabalhar em equipe;

6. Logo, o meu trabalho é incentivar meu pessoal a inovar, sem medo das idéias ruins;

7. Procuro usar o tempo para as soluções, pois o tempo perdido para encontrar os culpados é o mesmo;

8. Devemos buscar uma assertividade equilibrada, mas sem “normose”, evitando impor a minha própria idiotice à equipe;

9. A dor de uma verdade é menor que o desrespeito de uma mentira;

10. Frequentemente vou cometer erros!

Carlos Alecrim

Presidente da SBWCoaching®

Carlos Alecrim, M.Sc. é Master of Science em Gestão Empresarial e Master Coach, com certificação internacional em Wellness & Health Coaching. Coach profissional certificado, autor de diversos artigos usados por muitos coaches, coachees e executivos. É Membro da ICF (International Coaching Federation), Corporate Member do IIC (International Institute of Coaching), Member International Advisory Council – IIMP, Membro da SBCoaching (Sociedade Brasileira de Coaching) e CEO do ICCoaching – International Corporate Coaching.

Veja Também

  • A origem do coachingA origem do coaching Há algum tempo, comecei um processo de coaching que foi um dos mais importantes e difíceis que farei em toda a minha vida. Foi quando minha mãe, já idosa, começou a apresentar alguns […]
  • A importância de uma boa autoestimaA importância de uma boa autoestima Ter uma boa autoestima é fundamental para a nossa harmonia interior.  A pessoa de baixa autoestima não é livre, está sempre acorrentada à insatisfação com ela mesma e aos limites que […]
  • Fusão ou aquisição responsável e sustentávelFusão ou aquisição responsável e sustentável Tenho acompanhado o mercado europeu, as suas turbulências financeiras e econômicas e observado, entre outros fenômenos empresariais, um grande número de fusões e incorporações que pode […]

Comentários